sexta-feira, 21 de junho de 2013

Participação e mídias sociais: entre faces e máscaras



Diante dos acontecimentos que estamos acompanhando nos últimos dias, os diferentes tipos de manifestação social que se espalham por diversas cidades brasileiras parece ter algumas questões em comum. Além da diversidade do conteúdo das reivindicações e dos diferentes perfis dos participantes, a indignação demonstrada, as estratégias utilizadas, e a mobilização pelas mídias sociais chamam a nossa atenção, para além do momento político e da crise de credibilidade em diversas instituições.

Muitas são as hipóteses sobre as motivações que movem cada um e seus diferentes modos de se posicionar frente aos acontecimentos: indiferença, curiosidade, dúvida,  perplexidade, indignação, vozes, silêncios, até o desejo de refletir e tomar parte. Foi com essa mistura de sentimentos que participei da manifestação ocorrida na noite de ontem em Florianópolis, que segundo alguns cálculos, apesar da chuva que caía, reuniu em torno de 30 mil pessoas nas ruas da cidade. Certamente seria interessante ter os olhares de quem está diretamente envolvido, mas são tantos e tão diversos, que a aparente falta de liderança e de definição de propostas nos deixa sem saber ao certo o que de fato está acontecendo. 

Uma impressão mais ou menos clara parece ser a de que são muitas as faces e as máscaras destes movimentos.

Olhares de estudiosos, analistas políticos, educadores, jornalistas, e das pessoas em geral têm destacado a complexidade destes movimentos e a dificuldade de identificar o que de fato está acontecendo, como disse Mario Prata em sua crônica “A passeata”, do dia 19/6/2013: “sejamos francos, companheiros: ninguém tá entendendo nada. Nem a imprensa nem os políticos nem os manifestantes, muito menos este que vos escreve e vem, humilde ou pretensiosamente, expor sua perplexidade e ignorância”.

Como um recorte possível desse não-entendimento, é importante pensar o papel das mídias sociais nessa convocação. Muitos atribuem às redes sociais grande parte da organização desse movimento, pois em vez de identificar “nomes” e “líderes” reivindica-se a organização em “redes”. No entanto, ao mesmo tempo em que isso ocorre, é importante não perder de vista que esse movimento “começou nas ruas” e que sua repercussão nas redes assumiu diferentes formas, desde a organização de novas mobilizações, convites e convocações até o compartilhamento das diferentes experiências com imagens e comentários os mais diversos das mais diferentes “tribos”. Ou seja, parece que a proporção que tal movimento foi alcançando nas redes deve-se à ressonância que o mesmo assumiu em outros espaços.

Nesse quadro, é interessante discutir as diversas formas de comunicação e participação que intensificam certas relações e que multiplicam certos espaços de sociabilidade colocando os sujeitos nas redes, seja nas ruas seja nas redes digitais, e como seus dispositivos impactam a vida cotidiana de crianças, jovens e adultos. No caso de tais manifestações sociais, o que pode ser lido como um possível aumento da consciência do outro,  vontade de conhecer, e possibilidade da participação em processos democráticos, também pode ser problematizado como apenas figuração e número, como oportunismo de certos grupos, e muitos outros motivos para além da presença “curiosidade”.

Ao mesmo tempo em que isso ocorre, alguns aspectos críticos também merecem ser discutidos: os níveis de participação considerados de “baixa definição” em que parece ser insuficiente manifestar a opinião, o contágio da multidão, a participação sem envolvimentos verdadeiros nas situações, os reais interesses diante de tanta diversidade de discursos e práticas, da indefinição de propósitos, e certa superficialidade de relações e representações dos movimentos nas redes e nas mídias.

Entre tantas hipóteses e indefinições, percebemos como o atravessamento da mídia e das redes sociais repercute em nosso cotidiano e com isso também possibilita novos modos de participação na sociedade, na cultura e por que não dizer, na escola? E por falar em escola, como será que esse momento está sendo problematizado nas discussões de sala de aula? Será que “as vozes das mídias” e seu princípio informativo ainda assumem seu caráter de “verdade inquestionável” e de “legitimidade” diante dos fatos mostrados e de “construção de realidades” ou também estão sendo entendidos como possíveis “formas de interpretação”? Que mediações desses movimentos, práticas e discursos estão sendo feitas?


Nesse intercruzamento real e simbólico dos acontecimentos, das manifestações, das práticas, dos discursos e das mediações, mais uma vez, evidenciamos a necessidade da mídia-educação como condição de cidadania “real e virtual”. A importância do pensamento crítico-reflexivo para tentar interpretar as facetas desses movimentos e suas formas de empoderamento, tanto na perspectiva de ir além do que nos “é dado a ver” como na possibilidade de construir outras formas de participação. 


5 comentários:

Verônica Ivone Formiga disse...

Diante de todos esses acontecimentos e manifestações ocorridas em todo o país, podemos perceber a indignação e revolta de uma população que vem para rua não pelo carnaval ou pelo futebol, eles vem para a rua para lutar pelos seus direitos e melhorias no país. No entanto, dentro desse movimento há ações confusas, muitos estão nas ruas e não sabem o porque de estarem ali, ou vão apenas para dizer futuramente que participaram das manifestações ocorridas em 2013 e colocar fotos nas redes sociais. Por citar nas redes sociais, consegue-se perceber que os movimentos começaram e acontecem nas ruas, mas os convites e suas organizações são feitos por meio da mídia, a mídia pode assim ser vista como um outro meio de se manifestar, uma outra ferramenta que muitas pessoas encontram para colocar seus pensamentos,críticas e indignações. Passamos por um momento que ficará marcado na história de nosso país, na vida de cada um, e com certeza a mídia estará presente não só como um instrumento que registrará e guardará na memória tudo o que está acontecendo,mas será um meio de mostra que a mídia e suas tecnologias não são apenas puro lazer e distração elas estão em nosso meio como um modo de cultura, de comunicação, um instrumento sim que possibilita mostrar outros usos dessa mídia como por exemplo um local de reflexão e construção de críticas. Assim como as mudanças em nosso país a mídia e todas as tecnologias também são importantes, no entanto precisamos ver e pensar o modo em que ambas estão sendo repercutidas e realizadas por cada um de nós.

Ana Gabriela disse...

A mídia nos impulsiona algo maior do que ela mesma nos passa, o que vem ocorrendo nos últimos 20 dias, reflete que um debate reflexivo ou não, algo imediato que revela o que nós queremos,o que desejamos dos Governantes, sobretudo de uma melhor qualidade na Educação. O que perpassa em diferentes mídias nos toca em diferentes reflexões e atitudes, se a televisão mostra algo falso, iremos até as ruas e mostramos em nossos vídeos a "verdade" dos fatos. Temos que pensar sobre as mídias e com as mídias, sem deixar que elas "consumam" nossas ideias, nossos sonhos e ideiais.

Ana Gabriela disse...

As mídias no envocam pensamentos e atitudes diversos que por vezes são relexos de diferentes "realidades de manifestações, de desejos, de anseios que está ocorrendo há mais de dias no país. Quando vemos por exemplo um vídeo "distorcido"/ editado daquela "verdade" que muitos detêm, nos transcedem vontades e desejos de luta, de participam. Ou seja, é importante pensarmos com e para as mídias para primeiro irmos atrás dos nossos desejos, sem deixar de sermos críticos, mas que as mídias nos engradecem como pensadores, como seres formadores de opnião e de ajuda ao outro a ser crítico.

Jessica disse...

O despertar da sociedade em se manifestar em torno das questões nos quais são relevantes a todos, mas que não são melhoradas pelos governantes me deixou com esperança no sentido de que aquilo tudo que precisa ser melhorado pode vir a acontecer. Desta forma, acredito que os professores precisam problematizar essas questões com seus alunos, pois eles têm que começar a ter consciência de assuntos nos quais são pertinentes na sociedade para começarem a fazer uma reflexão em torno destes, para que possivelmente num futuro bem próximo eles possam ser adultos conscientes e participativos dentro da sociedade. Outro fator que precisa ser pensado é a questão das diversas formas de interpretações geradas pelas mídias, pois é necessário dialogar com nossos alunos em relação ao conteúdo exposto pela mídia, para que estes sejam conscientes e aprendam a criticar o conteúdo abordado, e nós como professores, seremos os mediadores nesse processo.

Jessica disse...

O despertar da sociedade em se manifestar em torno das questões nos quais são relevantes a todos, mas que não são melhoradas pelos governantes me deixou com esperança no sentido de que aquilo tudo que precisa ser melhorado pode vir a acontecer. Desta forma, acredito que os professores precisam problematizar essas questões com seus alunos, pois eles têm que começar a ter consciência de assuntos nos quais são pertinentes na sociedade para começarem a fazer uma reflexão em torno destes, para que possivelmente num futuro bem próximo eles possam ser adultos conscientes e participativos dentro da sociedade. Outro fator que precisa ser pensado é a questão das diversas formas de interpretações geradas pelas mídias, pois é necessário dialogar com nossos alunos em relação ao conteúdo exposto pela mídia, para que estes sejam conscientes e aprendam a criticar o conteúdo abordado, e nós como professores, seremos os mediadores nesse processo.