quinta-feira, 18 de maio de 2017

Entre literacias, mídia, cidadania e "aprender nas nuvens"


Por uma nova consciência do espaço público. Esse foi o tema do 4.Congresso Literacia, Media e Cidadania,  que aconteceu em Porto nos dias 5 e 6 de maio de 2017. Desde o início do evento foi possível perceber uma programação diversificada, com olhares de vários lugares para o tema, como por exemplo, a Rede de Bibliotecas Escolares, o Plano Nacional de Leitura, a Comissão Nacional da Unesco, Jornalistas, Políticos, Ativistas, Educadores e obviamente, Professores e Pesquisadores da Universidade. Aliás, vale destacar a primorosa atuação da Profa. Sara Pereira na coordenação do Congresso e a peculiaridade do Grupo Informal de Literacia para os Media, GILM, que além de organizador do evento, tem como objetivo trazer para o espaço público a educação para a mídia, e junto com ela, discutir essa nova consciência, seus desafios, potencialidades e riscos com profissionais de diversos campos e áreas de atuação  A esse respeito, a ênfase em padrões éticos, de respeito pela dignidade e pelos direitos humanos, bem como pelas liberdades de expressão e de participação foi uma constante no evento.

Na conferência inicial, La consciência publica en la nueva esfera midiática: el riesgo de la desigualdade creciente en alfabetización mediática,  José Manuel Perez Tornero, da Universidade Autônoma de Barcelona, destacou tanto o horizonte da alfabetização midiática – em que Portugal está sendo exemplo de diálogo, concentração e mudança ao unir a competência midiática com aspiração de cidadania  como direito nos espaços de comunicação. Ao mencionar a crise da esfera pública, da conversação pública e maquinaria do engano, da conversação social, bem como a vigilância  massiva e o controle dos espaços públicos com a ilusão de que somos livres, também discutiu o contexto da pós-verdade e suas implicações. A esse respeito, Tornero enfatizou que os modelos de alfabetização midiática não bastam, que precisamos mais para empoderar as instituições sociais e reinventar a esfera pública.

O tema da  Sessão Plenária 1 foi sobre “Literacia da Imagem e do Cinema”, com ênfase na cidadania visual e em diversos projetos do Instituto do Cinema e do Audiovisual, com Filomena S. Pereira, e do Plano Nacional de Cinema, com Elsa Mendes, além do Prof. da UCP e Crítico de Televisão Eduardo Cintra Torres. A Sessão Plenária 2  foi sobre “Formação e Boas Experiências em Educação para os Media”, a qual tive a honra de participar como convidada apresentando um pouco de nossas práticas de pesquisa e formação no âmbito da mídia-educação e das multiliteracias na cultura digital. Vale destacar a participação do Prof. José Azevedo, da Universidade do Porto, sobre os primeiros passos para uma convergência da literacia midiática e literacia digital, que conclui com uma provocação que afeta a todos nós, destacando que “há muita participação, pouca ação e nenhuma mudança significativa”. Por sua vez, entre as diversas experiências e reflexões, a Profa. Isabel Nina, da Rede de Bibliotecas Escolares - inspirada em Saramago “se podes olhar, vê. Se podes ver, repara” -destacou as oportunidades e os desafios formativos para promover níveis de educação para os media nas bibliotecas escolares. E por fim, Margarida Saco falou sobre a Campanha Nacional contra o Discurso do Ódio, que tem como objetivo promover educação para os direitos humanos on e off line a partir da cidadania digital dos jovens. A esse respeito, ela destacou a construção de outros discursos e práticas e um vídeo feito por jovens que faz parte da campanha, Uma história sobre gatos, unicórnios e discurso do ódio . Na Sessão Plenária 3, Por uma consciência do espaço público, o Prof. de Filosofia da Universidade de Lisboa, Viriato S. Marques, falou sobre Verdade Felicidade, Eficácia Política: O Desafio Triangular da Cidadania Pletórica (Des) Ordem Mediática em Curso. Entre a diversidade presente nas comunicações e nas demais atividades foi possível circular e conhecer diversas pesquisas  e um discurso que chamou a atenção foi a desmistificação em torno dos “nativos  digitais” e A educação para os Media na era Trump, em que Manuel Pinto discutiu o desafio dos educadores diante dos caminhos ou da ausência de caminhos, e o processo de mudança e os novos sinais que se mostram necessários.

O encerramento do evento, com apresentação da Associação Cultural Gambozinhos, foi um tributo ao Prof. Paquete de Oliveira, com depoimentos emocionantes que me fizeram admirá-lo mesmo sem tê-lo conhecido! Enfim, um congresso que se destacou pela pluralidade de ideias e de lugares da reflexão ao reunir professores e pesquisadores do campo da comunicação e educação, bibliotecários, jornalistas, políticos, filósofos e muitos outros estudiosos e ativistas que atuam em espaços da cultura, como cinema, museu e outras instituições. Essa riqueza e diversidade que caracterizou o congresso está muito coerente com os propósitos da GILM, além de ser um belo exemplo de trabalho em rede que pode inspirar muitas outras experiências.

Como num intensivo, um dia depois iniciava o Challenges 2017 com o tema Aprender nas Nuvens, evento que aconteceu entre os dias 8 e 10 /5/2107, na Universidade do Minho, em Braga, onde também apresentei trabalho. A 10. edição do evento, é fruto de um trabalho que foi se consolidando ao longo de vinte anos, e que costuma reunir pesquisadores portugueses, brasileiros e de muitos outros países que tem discutido as tecnologias na educação em suas mais diversas abordagens. Paulo Dias, Bento Silva, Cristina Ponte,  Edmea Santos foram alguns dos nomes presentes no evento, que teve como conferência principal, What we're learning about teaching computing,  proferida pelo Prof. Miles Berry, University of Roehampton (UK). Nessa fala, o professor enfatizou o pensamento computacional e sua presença curricular nos mais diversos níveis de ensino na Inglaterra, ou seja, a importância de ensinar programação desde os 5 anos de idade. Grande parte dos argumentos  utilizados ressaltavam quase os mesmos aspectos elencados em apresentação da SIREM 2016, que discuti em post de março de 2016. Uma evidência da importância de Papert, da elaboração e resolução de problemas, das estratégias utilizadas, a peer instruction, do conectivismo e do uso de códigos para prever comportamentos em programação. Os desafios da pesquisa a esse respeito estão só no início, mas já contamos com muitos elementos para pensar e problematizar diversas questões.


Enfim, eventos científicos e acadêmicos que são ocasião de formação, atualização e encontros entre colegas e amigos que reencontramos e outros que fazemos. Desse modo, não poderia deixar de registrar a generosidade do Prof. Manuel Pinto e a carinhosa acolhida portuguesa. Afinal, estar em Portugal é quase como sentir-se em casa...